sábado, 29 de maio de 2010

Caderno de memórias


Quantos dias se foram?
Quantas horas se passaram
Desde que você se foi?

Eu não sei mais o que fazer.
Grito, chingo, ignoro?
Qual você prefere?
Qual te afeta mais?

Como está o dia aí?
Aqui está parado.
Chove no meu mundo azul.

Deste lado da praia nada acontece.
Tudo é lento e cinza.
Tão sem graça.

Será que você não percebe?
Você levou a palheta de cores quando se foi.
E tudo descoloriu, manchando as páginas.

Tentei arrumar, mas borrei tudo.
A borracha rasgou a página.
Nada foi apagado.
Tive de descartar. Folhas ao vento.

E esse pedacinho rosa desbotado.
Ele parece triste, mas não consegui arrancá-lo.
Acho que ficará ali...

...Pra sempre! Ocupando espaço no meu livro.
Meu caderno de memórias.
Só mais uma lembrança marcada
no meu velho e surrado caderno de memórias...

2 comentários:

  1. quase chorei.
    mas esquece, você não é poeta. é só a minha tpm.

    ResponderExcluir
  2. Ai, ai. Tão leve, tão triste, tão bonito...

    ResponderExcluir